O termo latino Sapere Aude - Ouse Saber - traduz a essência de todo conteúdo deste blogger. Nosso desejo, aqui, é ajudá-lo a mergulhar em ideias que produzam um bem estar de prazer nesse imensurável mar de conhecimento. Logo, contribuiremos da melhor maneira possível para que indivíduos sejam “libertados das suas cadeias e curados da sua ignorância” – como imaginava Sócrates. Portanto, saia da caverna, AGORA, e aproveite o máximo que puder. Um abraço...

FlashVortex.com

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Kant: O que é esclarecimento?

(Königsberg, 22 de abril de 1724 — Königsberg, 12 de fevereiro de 1804)
O Que é Esclarecimento? (1784) 

Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade auto-imposta. Menoridade é a inabilidade de usar seu próprio entendimento sem qualquer guia. Esta menoridade é auto-imposta se sua causa assenta-se não na falta de entendimento, mas na indecisão e falta de coragem de usar seu próprio pensamento sem qualquer guia. Sapere aude! (Ouse conhecer!). “Ter a coragem de usar o seu próprio entendimento” é, portanto, o motto do Esclarecimento. Preguiça e covardia são as razões de a maior parte da humanidade, de bom grado, viver como menor durante toda a sua vida, mesmo depois de a natureza a muito tempo ter livrado-a de guias externos. Preguiça e covardia demonstram porque é tão fácil para alguns se manterem como tutores. (...) É muito confortável ser um menor. Se eu tenho um livro que pensa por mim, um pastor que age como se fosse minha consciência, um físico que prescreve a minha dieta e assim sucessivamente, não tenho então necessidade de empenhar-me por conta própria. Se eu posso pagar, não tenho necessidade de pensar. Muitos poderão discordar comigo nessa matéria: os próprios guardiães que se encarregam de cuidar para que a esmagadora maioria da humanidade – e, dentro dela, todo o sexo feminino – não alcance a maturidade, não apenas por ser desagradável, mas extremamente perigosa. Tais guardiães tornam estúpido seu gado doméstico e cuidadosamente se previnem para que suas dóceis criaturas não tomem caminho próprio sem seus arreios. Assim, eles mostram para seu gado o perigo que pode ameaçá-los caso pretendam andar por sua própria conta. (...) Eis a razão para o fato de que apenas poucos homens caminham decididamente e saem da menoridade, cultivando seus próprios pensamentos. No entanto, é praticamente certo que o público possa esclarecer-se. De fato, basta que a liberdade seja dada para que o esclarecimento torne-se praticamente inevitável. (...) O esclarecimento requer nada além do que liberdadee o mais puro de tudo isso é a liberdade de fazer uso público da razão em qualquer assunto. (...) Nós encontramos restrições à liberdade em todo lugar. Mas qual restrição é nociva ao esclarecimento? Qual restrição é livre de erros e qual antecede o esclarecimento? Eu respondo: o uso público da razão deve ser livre todo o tempo e somente isso pode levar esclarecimento à humanidade. (...) Um homem pode postergar seu próprio esclarecimento, mas somente por um período limitado. No entanto, suspender o esclarecimento de uma só vez, para si mesmo ou para seus descendentes, é violar e pisar nos sagrados direitos do homem.

 http://www.espacoacademico.com.br/031/31tc_kant.htm#_ftn1

Luiz Paulo Rouanet fala sobre Kant
Prof da Puc/Campinas

7 comentários:

  1. Como estudante de história adorei seu texto...filosófico e histórico.

    Parabéns amigo.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do texto, principalmente da frase em laranja.
    Abraços e boa semana!!

    ResponderExcluir
  3. Interessante como a maior parte dos meios de comunicação do Brasil se presta ao papel de "guardiães" para que as pessoas não atinjam o esclarecimento. Caso exemplar está acontecendo agora, no tal "julgamento do mensalão". Enquanto a mídia se esforça para fazer os incautos acreditarem que Joaquim Barbosa é uma nova espécie de herói nacional, aquele que é o único que deveria levar o nome de "magistrado" ali, Ricardo Lewandowski, é repudiado como "defensor de mensaleiros". Na verdade, ele só aplicou os princípios básicos do Direito ao absolver réus contra os quais não havia provas.

    ResponderExcluir
  4. Também gosto de Kant, Renato. No entanto, o texto não é meu é do filósofo. Um abraço...
    **********************************
    É uma frase fantástica, né, Iza. Um abraço...
    *********************************
    Essa discussão é problemática, Fábio. O povo brasileiro está cansado de tanta corrupção. Passar a mão agora é o que o povo não quer. É preciso que o judiciário dê uma resposta urgente a todos nós. Carecemos. Um abraço...

    ResponderExcluir
  5. Acho que eu sou uma "filósofa" amadora. Hehe. Eu gosto muito de ler sobre, e por algumas vezes, depois de meditar, por em palavras.
    Tenho um blog também, Dancing Barefoot; caso se interesse em ler...

    ResponderExcluir
  6. ESCLARECEU E MENCIONOU O USOS DA RAZÃO. PARABÉNS. ÓTIMO !

    ResponderExcluir

Fugitivos da caverna comentam, aqui: