O termo latino Sapere Aude - Ouse Saber - traduz a essência de todo conteúdo deste blogger. Nosso desejo, aqui, é ajudá-lo a mergulhar em ideias que produzam um bem estar de prazer nesse imensurável mar de conhecimento. Logo, contribuiremos da melhor maneira possível para que indivíduos sejam “libertados das suas cadeias e curados da sua ignorância” – como imaginava Sócrates. Portanto, saia da caverna, AGORA, e aproveite o máximo que puder. Um abraço...

FlashVortex.com

domingo, 22 de maio de 2016

12 anos de escravidão: um filme de Steve McQueen


12 anos de escravidão (12 years a slave 2013), do diretor Steve McQueen, é um longa feito em parceria com a Iglaterra e USA cuja temática é a escravidão. Baseada em uma autobiografia escrita por Solomon Northup em 1853. Sua obra evidencia todo seu sofrimento após ser vendido como escravo mesmo sendo já um homem livre na cidade de Saratoga Springs em Nova Iorque. O filme começa com a visita de dois homens,  Brown (Scoot McNairy) e Hamilton (Taran Killam). Ambos o ludibriam  afirmando que precisariam do seu trabalho como músico violonista por nada mais do que duas semanas sob a promessa que receberia ao término dos serviços um bom dinheiro em Washington, DC, O engodo não passou de uma estratégia brutal e doentia afim de  comercializá-lo como escravo. Do dia para noite, Solomon Northup (Chiwetel Ejiofor), acorda na proprie-
dade de James Burch, um fazendeiro que o envia para Nova Orleans, Luisiana onde é comprado por William Ford (Benedict Cumberbatch). Não demora muito, em consequências dos crescentes problemas que começa a existir na vida de Solomon, para que seu atual dono precise vendê-lo afim de salvaguardar a sua vida. É dessa forma que, mais uma vez, ele segue para outra propriedade do fazendeiro e plantador de algodão, Edwin Epps (Michael Fassbender). Nesta fazenda Solomon Northup vive os anos mais terríveis de sua vida juntamente com os demais ne-
gros. O longa revela, por sua vez, uma atrocidade tamanha na relação Senhor - escravo. O abuso de poder, ignorância, preconceito, estupro, morte e tantas outras maneiras de manipulação e dominação patológica aparecem neste filme. Impossível não se revoltar contra tudo que acontece no decorrer do longa. É preciso ter "sangue de barata" para não ficar, no mínimo, com mal-estar. 
A impressão que se sente é que o filme foi feito para constranger a quem ainda teima em insistir neste tipo de conformidade. 12 anos de escravidão é uma empreitada pesada, tensa, dolorida e de caráter reflexivo. Faz-nos pensar se, por um acaso, alguma coisa mudou, nos dias de hoje, apesar de todo triste ocorrido. Não falo, aqui, de maneira literal, claro. Mas, há outros modos de opressão e abuso social que possui suas raízes muito bem fixadas em nosso solo de chão batido, como por exemplo: baixos salários, altos impostos, violência contra a mulher, locais sem saneamento público, sem hospitais, sem educação e por aí vai. Se isso, também, não for entendido como exploração não sei mais o que seria. Portanto, espero que tenha gostado e até a próxima.


12 anos de escravidão (2013) - Trailer






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fugitivos da caverna comentam, aqui: